6.2.08


Esperança acalentaste
N
um futuro risonho
T
erra Mãe – Filha de África
E
m tuas entranhas
R
essuscitaste o sonho
R
azão do teu viver
A
rmaste teus filhos
R
umo à liberdade
A
creditaste na vitória
M
as os ventos mudaram

O
s homens também...

S
em escrúpulos nem pejo
O
teu sonho derrubaram
N
um cíclico jogo de armas
H
onrado seja o teu nome
O
h! Pátria mil vezes violada


De onde vem tanto ódio
Entre teus filhos amados?

Corre o sangue derramado
Abrem feridas mal saradas
Bate em teu peito a chamada
Recobre as forças Terra – Mãe
Ainda é longa a caminhada
Levanta-te Guiné e desenterra o teu sonho!


Filomena Embaló (poetisa guineense)