15.2.08

A feiticeira do olhar de prata



A feiticeira de olhar de prata
cansada da tranquilidade de fronteiras
e de acampamentos largou
as pedrinhas que ficaram das pedras
e
se exilou para lá dos sonhos


em sua libata de nuvens brancas
e
envolta em panos de bruma
enrola linhas de horizonte
em grossos novelos
que
por tardes de chuva desdobra
pelo céu alto
em longos arco-íris

a feiticeira de olhar de prata
me aguarda
encoberta em mosquiteiro de brisa
na sua funda alcova de luas e de estrelas
devagar
de lágrimas e sol
ela vai tecendo a renda de meus dias


Arlindo Barbeitos (poeta angolano)