10.2.08


O mar


Ai o mar
que nos dilata sonhos e nos sufoca desejos!
- Ai a cinta do mar
que nos detém ímpetos
ao nosso arrebatamento
e insinua
horizontes para lá
do nosso isolamento!
(Convite da viagem apetecida
que se não faz!)
- Ai o cântico
estranho
so Atlântico,
que se não cala em nós!
Talvez um dia
inesperado remoinho de águas
passe
borbulhante,
envolvente,
alguma onda mais alta
se levante...
Talvez um dia...
- Quem sabe!...
Depois
na senda dos tempos
continuará
a marcha dos séculos
...E outra lenda
virá...


Jorge Barbosa (poeta caboverdiano)