5.4.08


Restos


O amor, o pobre amor estava putrefacto.
Bateu, bateu à velha porta, inutilmente.
Não pude agasalhá-lo: ofendia-me o olfacto.
Muito embora o escutasse, eu de mim era presente.


Carlos Drummond de Andrade (poeta brasileiro)